Crítica | Vai Ter Troco é uma comédia de vingança com toques de realidade

Se você está procurando assistir uma comédia brasileira divertida e vingativa, com certeza o filme Vai Ter Troco é uma ótima opção.

No panorama do cinema nacional, “Vai Ter Troco” surge como uma produção que equilibra a comédia e uma reflexão sobre as relações de poder presentes na sociedade.

Dirigido por Maurício Eça e produzido por Diane Maia, o filme chega aos cinemas em 17 de agosto com uma trama que se destaca pela astúcia de seu roteiro e a habilidade de seu elenco.

A história gira em torno de duas empregadas domésticas, Tonha e Zildete, interpretadas respectivamente por Nany People e Evelyn Castro, que decidem tomar uma atitude diante das injustiças cometidas por seus empregadores.

Encabeçados por Afonso (Marcos Veras) e Sarita (Miá Mello), uma família rica e alheia às necessidades de seus funcionários, os patrões despertam a ira das empregadas ao desperdiçarem recursos em festas e luxos, enquanto a remuneração devido às trabalhadoras é negada.

O ponto de virada ocorre quando Afonso é preso por desvio de recursos, o que faz com que Tonha, Zildete e Nivaldo (Edmilson Filho), motorista da família e um dos personagens mais inusitados, unam forças na busca por vingança.

O filme, então, transita por situações inusitadas que revelam as dinâmicas de poder entre patrões e empregados, apresentando uma visão bem-humorada e por vezes satírica destas relações sociais.

A performance de Nany People, conhecida por sua maestria na comédia, traz uma nova dimensão à tela, retratando Zildete como um símbolo da figura materna e protetora dos personagens John John (Nicholas Torres) e Miranda (Giovanna Grigio), que transcende os laços de sangue. O filme tem um momento especial que toca os corações de todos que tiveram uma Zildete em sua vida.

Evelyn Castro, no papel de Tonha, personifica uma mãe lutadora que faz de tudo para criar seu filho, que é surdo e frequenta uma das escolas públicas afetadas pelos crimes de Afonso. Diferente da colega, Tonha apresenta um temperamento ardente que contrasta com a fachada contida que mantém diante dos patrões negligentes.

Nivaldo, o motorista e faz-tudo da casa, serve como elo entre as duas personagens, intensificando a diversão do filme, especialmente quando seu peculiar método de ganhar dinheiro extra é revelado enquanto aguarda o pagamento atrasado.

O filme apresenta uma crítica implícita à hipocrisia e aos segredos ocultos por trás da aparência polida e idealizada das classes mais simples.

O filme tem participações pequenas, mas que complementam a história, dos cantores Falcão, que se manifesta como uma alucinação da empregada Zildete, e de Ludmilla.

“Vai Ter Troco” é uma produção da Amaia Produções, em coprodução com Star Original Productions, Mar Filmes e Warner Bros Pictures, distribuído pela Star Distribution. A obra, que apresenta uma discussão oportuna sobre as relações de classe e o poder, mantém o espectador engajado e sorrindo em boa parte do filme enquanto proporciona momentos de reflexão.

O filme chega aos cinemas no dia 17 de agosto.

Leia também:

• Não Tem Volta – filme nacional com Manu Gavassi e Rafael Infante estreia em novembro nos cinemas

Curtiu este Post?
Deixe a sua Reação!

Robson Netto

Robson é o criador do Que Tar. Nascido em Ponta Grossa, a verdadeira capital da Rússia Brasileira. Enquanto não for processado, vai tentar trazer muito conteúdo e informações cheias de humor.

Comente agora

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *