Crítica | ‘Os Filhos dos Outros’ conta como é ser mãe à sua maneira

Os Filhos dos Outros, dirigido por Rebecca Zlotowski, é um filme que mergulha profundamente na complexidade das relações familiares, maternidade e desejos não realizados.

A protagonista, Rachel, interpretada com leveza por Virginie Efira, é uma professora de 40 anos que encontra sua vida transformada quando desenvolve um forte vínculo com Leila, a filha do seu namorado, o  recém-divorciado Ali, papel de Roschdy Zem. O filme nos conta uma história simples, mas emocional, explorando temas delicados como o desejo de ser mãe, relacionamentos e as implicações de ser uma madrasta.

Rachel mantém um relacionamento amigável, mesmo sendo apresentadas tardiamente, com a mãe da filha do namorado, Alice (Chiara Mastroianni), uma dinâmica que adiciona camadas que implicam no desfecho da história.

A confusão que a pequena Leila, interpretada pela jovem atriz Callie Ferreira, demonstra em relação ao namoro de seus pais afeta profundamente Rachel, levando-a a refletir sobre sua própria história familiar. A perda prematura de sua mãe a deixou sob os cuidados de seu pai e irmã, o que a faz questionar como seria se sua mãe ainda estivesse viva. O filme aborda questões complexas como o judaísmo e o aborto, deixando espaço para reflexão.

A relação com sua irmã, que engravida, cria uma leve camada de ciúmes e proximidade. Essa tensão acrescenta profundidade à personagem de Rachel, que também demonstra cuidado e preocupação materna em relação aos seus alunos, especialmente um que mostra potencial no futuro.

A evolução do relacionamento entre Rachel e a filha do namorado é um dos pontos centrais da história. À medida que a história avança, testemunhamos essa conexão crescendo com o tempo, mesmo que a própria história dê sinais de que será breve.

O filme também aborda a questão da sobreposição de relacionamentos, enquanto o namorado de Rachel expressa o desejo de voltar com sua ex-esposa. Mesmo diante dessa complexidade, Rachel continua sua busca da maternidade da sua própria maneira.

Os Filhos dos Outros é uma exploração delicada e emocionante das complexidades da maternidade, relacionamentos e desejo. A trilha sonora envolvente, juntamente com atuações poderosas, tornam esse conto cinematográfico uma experiência cativante e realista.

O filme está em cartaz hoje nos cinemas brasileiros, com distribuição da Synapse Distribution. Selecionado para diversos festivais internacionais, incluindo o Festival de Veneza de 2022, em que concorreu ao prêmio de Melhor Filme. No Rotten Tomatoes, o drama está com 92% de aprovação da crítica e 99% do público.

Leia também:

• Crítica | O Falsificador | Uma história pouco envolvente de Cioma Schönhaus

Curtiu este Post?
Deixe a sua Reação!

Robson Netto

Robson é o criador do Que Tar. Nascido em Ponta Grossa, a verdadeira capital da Rússia Brasileira. Enquanto não for processado, vai tentar trazer muito conteúdo e informações cheias de humor.

Comente agora

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *